O Museu do Amanhã, localizado no Rio de Janeiro (RJ), é um exemplo de como a humanidade poderá viver e se moldar nos próximos anos de forma sustentável.

O prédio conta com a fonte fotovoltaica para gerar energia elétrica para suprir parte do consumo do museu. Sua cobertura conta com painéis solares com trackers, que fazem com que os módulos se movimentem conforme a trajetória do Sol ao decorrer do dia, potencializando a captação de energia.

Ao total são 5.492 módulos em 48 conjuntos de asas móveis instaladas na cobertura metálica do museu somando 181,2 kWp de potência instalada. O sistema é capaz de suprir 9% do consumo energético do prédio. 

Segundo os administradores do museu, a instalação do sistema fotovoltaico permitiu uma economia de até 50% na conta de energia, em comparação com demais edifícios convencionais. 

O Museu do Amanhã funciona de quinta a domingo, das 10h às 16h. Para mais informações sobre valores e exposições clique aqui. 

Conquistas sustentáveis do museu do amanhã

O museu foi inaugurado em 2015 e, seis meses após a sua inauguração, se tornou o primeiro do país a receber o selo de Ouro na certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design – Liderança em Energia e Projeto Ambiental). 

Para a conquista do selo de Ouro, o projeto foi avaliado pelas categorias: 

  • uso racional da água; 
  • espaços sustentáveis; 
  • qualidade dos ambientes internos da edificação; 
  • inovação e tecnologia; 
  • atendimento a necessidades locais; 
  • redução, reutilização e reciclagem de materiais e recursos; 
  • eficiência energética. 

Em 2017, o Museu do Amanhã recebeu o prêmio internacional MIPIM (Le Marché International des Professionnels de L’immobilier – Mercado internacional de profissionais imobiliários) na categoria “Construção Verde Mais Inovadora” pela tecnologia empregada na captação de energia solar e pelo uso de águas geladas do fundo da Baía de Guanabara no sistema de ar condicionado.

Publicado Originalmente no Canal Solar em 2021-10-01 16:02:38