A empresa de fertilizantes Harvest Minerals deu início a construção de uma usina solar de 276,79 kWp. O objetivo principal é tornar sua unidade de Projeto Fertilizante Arapua no Brasil, em Arapuá (MG), livre de carbono.

Segundo a empresa, a capacidade do parque solar foi planejada para avançar de acordo com o crescimento almejado para produção e venda dos fertilizantes.

Ao total, a planta terá  622 painéis solares de 445 Wp e deve entrar em operação em quatro meses. A empresa estima que a redução nas despesas com energia terá uma queda de 8% nos custos totais de mineração e processamento. 

Para a construção da usina solar, a Harvest Minerals contou com uma linha de financiamento do Santander no valor de R$ 1 milhão. Segundo a instituição financeira, a linha de crédito possui taxas atrativas por estar atrelada aos princípios ESG, e faz parte da estratégia do banco de apoiar o desenvolvimento do setor de energia renovável. 

Leia também: Linhas de financiamentos tornam a energia solar mais acessível

“Estamos muito satisfeitos em fortalecer nossa estratégia de carbono zero com uma iniciativa de energia solar que não apenas reduzirá significativamente nossa pegada de carbono, mas também proporcionará economias de custo substanciais e contínuas”, destacou Brian McMaster, presidente da Harvest.

“Além disso, como ambos os grandes clientes agrícolas e pequenos varejistas estão cada vez mais olhando holisticamente para os processos ao longo de toda a cadeia de suprimentos em sua busca por fertilizantes orgânicos de baixo impacto e alta qualidade, estamos posicionados para capturar esses clientes e aumentar as vendas. Estamos ansiosos para atualizar o mercado sobre nosso progresso em um futuro próximo”, concluiu.

Publicado Originalmente no Canal Solar em 2021-10-27 13:47:44