Custos para geração de energia diminuem

Usina Hidrelétrica Mauá, no rio Tibagi. Foto: Junior Borba/Eletrosul

As condições de suprimento energético ao SIN (Sistema Interligado Nacional) tiveram significativa melhora em função das chuvas nas bacias da região Sudeste/Centro-Oeste. É o que apontou o CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico).

Segundo o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), o armazenamento equivalente do SIN alcançou 60,9%. Com isso, foram suspensos os despachos termelétricos e a importação de energia para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste, Nordeste e Norte.

“Isso significa menores custos ao consumidor brasileiro”, destacou o CMSE. Esse resultado, de acordo com o comitê, está atrelado às políticas e ações tomadas pelas entidades do setor elétrico brasileiro para recuperação dos principais reservatórios do SIN.

A região Sul permanece com reservatórios em cerca de 30% de armazenamento, o que corresponde ao volume mínimo operativo para esse subsistema, com ênfase para as bacias dos rios Iguaçu e Uruguai.

Dessa forma, para garantir a segurança energética, a entidade ressaltou que será realizado intercâmbio de energia dos demais subsistemas para o Sul. Ademais, poderá ser realizado o acionamento de termelétricas e a importação de energia elétrica dos países vizinhos, ao custo máximo de R$ 375,66/MWh.

Leia mais

“O trabalho do CMSE tem garantido a confiabilidade no fornecimento de eletricidade no país por meio da ação articulada e proativa das instituições que compõem o comitê”, disse Christiano Vieira, secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia.

“As condições de atendimento eletroenergético continuarão a ser avaliadas, uma vez que o atual cenário ainda é de recuperação gradativa dos reservatórios. Permaneceremos atentos às oportunidades de redução do custo total de operação do sistema de acordo com a evolução das condições observadas”, concluiu.

Publicado Originalmente no Canal Solar em 2022-02-28 11:52:33