A EPE (Empresa de Pesquisa Energética) divulgou na última semana um boletim sobre o consumo nacional de energia elétrica no segundo trimestre de 2023. De abril a junho, o indicador registrou variação positiva de 3,4% quando comparado com o mesmo período de 2022. A expansão é explicada pelo desempenho positivo dos segmentos residencial (6,6%) e comercial (4,2%). A indústria variou 1,8%.

O aumento da renda das famílias, proporcionado pela retomada da taxa de ocupação, explica o crescimento do consumo de energia no setor residencial. O clima mais quente e seco no período também contribuiu para o resultado. Outros fatores também favorecem, como aumento do número de consumidores, redução das perdas de energia e melhora da qualidade de operação das distribuidoras.

Já a expansão da classe comercial é reflexo da retomada presencial de atividades de cultura, lazer, trabalho e turismo; e do aumento do número de consumidores comerciais.

Na indústria, a extração de minerais metálicos se destacou, com aumento de 8,9% no consumo de eletricidade no segundo trimestre. O segmento de metalurgia registrou expansão de 5,8%, enquanto o alimentício aumentou 4%. No entanto, 19 dos 37 setores industriais monitorados apresentaram retração do consumo de energia.

Em julho, o consumo nacional de energia cresceu 1,7% na comparação com igual período de 2022, puxado pela classe residencial (4,7%) e comercial (1,9%). A indústria retraiu 0,7%. No acumulado de 12 meses, o consumo nacional registrou 516.796 GWh, alta de 2%.

Publicado Originalmente no Canal Solar em 2023-09-18 11:39:21